Depois de 12 capitais brasileiros já flexibilizarem o uso de máscaras, áreas técnica e jurídica do Estado analisam o caso

0

Algumas fontes de dentro do Governo do Estado dizem que Membros da área técnica da Saúde e da parte jurídica, já estudam tratar do protocolo para flexibilizar do uso das máscaras no Ceará. A medida, adotada pelo estado de São Paulo e em vigor em, pelo menos, 12 capitais brasileiras, deve ocorrer no Ceará nas próximas semanas.

Após um pico de contaminações entre o fim do ano passado e o início deste ano, causado pela variante ômicron, um conjunto de medidas que já vinham sendo estudadas para flexibilização das regras adotadas por conta da pandemia, tiveram que recuar, em todo o País, por conta do alto número casos confirmados e da busca mais intensa por assistência na rede pública e privada de Saúde.

Na mesma rapidez em que a onda causou infecções, ela arrefeceu, revelam os dados observados pelo governo do Estado do Ceará para a renovação dos decretos pelo governador Camilo Santana.

Embora oficialmente o Estado ainda evite tratar do assunto, os técnicos já estão analisando os protocolos que, conforme apurou esta coluna, devem liberar, inicialmente, o uso em espaços públicos, semelhante ao que aconteceu em São Paulo, após medida anunciada nesta quarta-feira (9) pelo governador João Dória (PSDB).

Segundo informações veiculadas na mídia nacional, atualmente, cerca de 12 capitais já liberaram de alguma forma o uso de máscaras, sendo que Natal e Rio de Janeiro retiraram a regra para locais abertos e fechados.

Abrasel solicita dispensa de máscaras para locais que exijam passaporte

A Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) solicitou ao governador Camilo Santana (PT) que os estabelecimentos que exijam o passaporte sanitário possam dispensar a obrigatoriedade do uso de máscaras para clientes e trabalhadores que estejam imunizados. O documento, assinado no dia 2 de março, usa como argumento uma fala de Camilo durante uma live, em que ele considera que já há uma “estabilidade de casos” de Covid-19.

Taiene Righetto, presidente da Abrasel no Ceará, ponderou que a intenção da entidade não é exigir uma liberação imediata do uso de máscaras, mas iniciar o debate entre os representantes de setores econômicos e a administração estadual. “Queremos entender quais os riscos, pautados em números epidemiológicos. Essa troca de informação é muito importante para o debate”, explica.

Ele argumenta que a experiência de outros estados e países que já decidiram por desobrigar as máscaras pode ser uma referência para o Ceará. “Muitas decisões para restrição foram tomadas com base nas experiências de outros lugares. É interessante pensar nisso para as flexibilizações também”, enfatiza. Righetto cita como exemplo os casos do Rio de Janeiro, que dispensou o uso de máscaras a partir desta terça-feira, 8, e de São Paulo, onde a medida foi adotada para áreas abertas.

O presidente argumenta ainda que o controle do uso de máscara nos restaurantes tem se tornado mais difícil, devido ao relaxamento dos clientes ao uso do item obrigatório. “Parece ser algo simples, mas para um restaurante com 60 pessoas, que é um número baixo para o setor, é difícil ter esse monitoramento de todos os clientes”, explica, lembrando que o estabelecimento pode ser multado caso a fiscalização identifique clientes sem máscara.



DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui