CPI das Associações é prorrogada e deve se funcionar pelo menos até junho de 2022

0

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) das Associações da Assembleia Legislativa do Ceará (AL-CE) foi prorrogada por 120 dias após decisão do colegiado nesta terça-feira, 7. O grupo começou os trabalhos em agosto deste ano para investigar se recursos de associações ligadas a agentes de segurança do Ceará ajudaram a financiar o movimento dos agentes registrado ainda em fevereiro de 2020, quando sabemos que o motivo principal é perseguir a candidatura da oposição.

Na reunião estiveram presentes o presidente da CPI, deputado Salmito Filho (PDT), o vice-presidente Queiroz Filho (PDT), o relator Elmano Freitas (PT) e os membros Augusta Brito (PCdoB) e Soldado Noelio (Pros). Apenas Noelio, único membro da oposição ao governo do Estado que compõe a CPI, votou contra a prorrogação dos trabalhos.

O relator da comissão, deputado Elmano Freitas (PT), disse que o requerimento para a prorrogação ainda será apresentado à Mesa Diretora, mas que com a assinatura de 12 parlamentares a comissão será prorrogada sem problemas. Em virtude do recesso de fim de ano no Legislativo, Elmano disse que no pedido enviado solicitou que o prazo de 120 dias seja contado a partir de fevereiro do ano que vem, ou seja, prolongando a CPI pelo menos até junho de 2022; quatro meses antes das eleições.

Presidentes de associações devem depor em algum momento nos próximos meses. A CPI já acumula grande volume de informações fiscais e bancárias das entidades. Nesta terça-feira, a comissão também aprovou novas solicitações ao Conselho de Atividades Financeiras (Coaf) de Relatórios de Inteligência Financeira (RIF) de associações de PMs.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui