Após facção decretar “lockdown” em Chorozinho, Justiça determina reforço da Polícia Civil

0

Nos trouxemos na última semana um caso que chocou a muitos, a cidade de Chorozinho teve um “lockdown” imposto pelas facções criminosas, a polícia militar tentou desmentir dizendo que era uma fake news, mas comerciantes da região garantem que a ameaça era seria e não tiveram coragem de abrir mesmo com mais de 20 viaturas na cidade.

E agora a Justiça Estadual concedeu liminar, após pedido do Ministério Público do Ceará (MPCE), em que determinou que o Estado do Ceará aumente o efetivo da Polícia Civil do Ceará (PCCE) em Chorozinho, na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF), devido a esse caso que deu grande repercussão.

A medida judicial foi proferida pela Vara Única da Comarca de Chorozinho na última sexta-feira (12). Com isso, o Estado deve designar dois escrivães e quatro inspetores da Polícia Civil, em um prazo de 5 dias, para integrar uma força-tarefa com o objetivo de desafogar os Inquéritos Policiais estagnados na delegacia da cidade.

Segundo o MPCE, o juiz ordenou ainda que o Estado do Ceará, no prazo de 90 dias, adote providências necessárias para a ocupação de espaço, estrutura física e disponibilização de material, a fim de que os servidores exerçam suas atribuições, com o adequado atendimento da população. O Estado pode firmar convênio com o Município. Em caso de descumprimento, foi fixada multa diária de R$ 10 mil.

A Ação Civil Pública do Ministério Público, requerida na última quarta-feira (10), sustenta que Chorozinho, por integrar a Região Metropolitana de Fortaleza, tem grande circulação de pessoas e muitas estradas vicinais, fazendo divisa com os municípios de Ocara, Pacajus, Cascavel e Barreira.

A Polícia Civil do Ceará informou, em nota, “que não foi notificada ainda sobre a referida decisão da Justiça Estadual. Independente da liminar, a Polícia Civil de forma integrada com a Polícia Militar do Ceará (PMCE) já vem atuando de forma ininterrupta na cidade de Chorozinho, com o reforço de ações de inteligência e de investigação”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui