85 ANOS DA PIONEIRA, CEARÁ RÁDIO CLUBE (PARTE – 4)

1
Da esquerda para direita: João Ramos, Dermival Costa Lima, Antônio Maria,José Júlio Cavalcante, Manuelito Eduardo e Mozart Marinho

A passagem da Pioneira para o conglomerado dos Diários Associados, Deveu-se a uma série de fatores:Primeiro, João Dummar não pretendia vender a PRE-9. Foi obrigado devido à questão de cidadania, como foi relatado na parte-03, pois o comerciante era libanês, e pela lei brasileira vigente, estrangeiro não podia ser proprietário de empresas de radiofusão.

José Cabral,Maria de Aquino,José Lima Verde e Neide Maia

Segunda questão: o “cidadão Kane brasileiro”, já estava de olho na Pioneira na intenção de ampliar seu império de comunicação, que em seu ponto máximo, chegou ser a maior rede de comunicação da história do país com 33 jornais, 25 emissoras de rádio, 22 estações de TV, uma editora, duas agências de notícias, uma agência de publicidade, três gráficas e duas gravadoras de discos.

Por outro lado, aquisição da Ceará Rádio Clube pelo Diários Associados, fez com que à emissora se integrasse ao um grupo de comunicação já bastante influente em toda América Latina e, ainda por cima, possibilitou a incorporação de melhorias técnicas e recursos humanos, que permitiu um grande salto de qualidade na grade da emissora, que nessa época, década de 40, era composta basicamente, de programas musicais em auditórios e radionovelas; os grandes sucessos da época.

Narcélio Lima Verde,Paulo Lima verde,Almir Pedreira e Wilson Machado

A primeira radionovela transmitida no país foi: Em Busca da Felicidade, transmitida pela Rádio Nacional, em 1º de junho de 1941. Os programas radiofônicos causaram um grande impacto na rotina social das grandes cidades como São Paulo e Rio de janeiro. Não demorou muito, se espalhou pelo resto do Brasil, inclusive no Ceará, com a PRE-9. A emissora produziu radionovelas de grande sucesso, revelando grandes profissionais.

Paulo Cabral

Sobre o impacto cultural, e a mudança dos costumes que as radionovelas trouxeram na cidade do Rio de Janeiro, então capital do país, descreve Reynaldo Tavares:“Quando da apresentação dos capítulos de O Direito de Nascer, a Rádio Nacional, do Rio de Janeiro, era absoluta em termos de audiência e, naquele horário, os cinemas, os teatros e os outros meios de entretenimento ficavam vazios, as ruas como por encanto silenciavam e ninguém perambulava por elas…Era um horário religioso uma imensa reunião emudecida e atenta que comungava, junto aos receptores, todas aquelas emoções vividas por Albertino Limonta e os demais personagens inventados por Félix Caignet”.

No Ceará não foi diferente, a PRE-9 causou um impacto de proporções gigantesca nos costumes e na cultura da classe nédia da capital cearense, assim como, no interior do Estado. O rádio, alterou os hábitos das famílias, que tinham acesso ao aparelho receptor, nos mais longínquos recantos de nosso estado. Como descreve o escritor José Humberto Gomes de Oliveira:

“Lembro-me dele, muito bem: um aparelho grande, marca Zenith, movido a bateria. O rádio lá de casa!…Motivo de reuniões noturnas e, às vezes, diurnas, na sala de visitas, onde fora instalado, todo soberano. O velho rádio!… Veículo de animadas brincadeiras dançantes, mormente na quadra carnavalesca. Antes, quem animava os saraus da família, era a vitrola, com sua discoteca de cera, agulhas descartáveis e funcionando a manivela…”

Na opinião de Roger Parry: “O rádio leva a magia das histórias contadas em volta da fogueira, a mensagem do orador na praça pública e a emoção sentida pela plateia diante de uma apresentação ao vivo para dentro dos lares. Criou personalidades globais que se tornaram nomes familiares, mas, ao contrário dos astros e estrelas do cinema, pareciam reais e acessíveis.”

Como não poderia ser de outra forma, a Ceará Rádio Clube foi, também, responsável pela pioneirismo das radionovelas e na formação de radioatores e locutores no Ceará, e uma das primeiras do Brasil a formar uma plêiade de alto padrão, com profissionais da comunicação e do entretenimento. A PRE-9 formou, e deu guarida, ao um elenco de primeira qualidade de atores e Radialista que se destacaram nacionalmente. Foi no ano de 1936 que a Ceará Rádio Clube realizou o primeiro concurso para contração de locutores.

A partir daí surgiram nomes que se consagraram perante ao público e gravaram para eternidade seus nomes e suas vozes, nas ondas do rádio cearense. Personagens como:João Ramos, Dermival Costa Lima, Antônio Maria, José Júlio Cavalcante,Manuelito Eduardo, Mozart Marinho,José Cabral de Araújo (narrador da primeira transmissão de futebol do campeonato cearense em 1939, pela Ceará Rádio Clube), Neide Maia, Ruth de Alencar, Maria de Aquino (primeira locutora do rádio cearense) e José Lima Verde. Esses, e mais tantos outros, foram os pioneiros no rádio cearense. Foram eles, homens e mulheres, que desbravaram os caminhos para os que vieram depois.

Apesar dos limites impostos pela tecnologia, dificuldade financeira e discriminação. Esses heróis e heroínas, conseguiram quebrar a barreira do preconceito e da exclusão cultural de uma região que sempre foi tratada com indiferença pelo restante do país, apesar de ser o berço desta nação e ser possuidora de cultura e belezas naturais ,hoje conhecidas em todo mundo. Os nordestinos só eram, na maioria das vezes, lembrados pelo resto país, quando da ocorrência de uma tragédia como “a Seca”, que sempre castigou a região. Assim mesmo, eram tratados como flagelados, retirantes, pau de arara ou, ironicamente de paraíbas.

É nesse ponto que o pioneirismo da Ceará Rádio Clube, a primeira emissora do estado do Ceará e a quinta do país, serviu como porta voz dos gritos dos esquecidos, dos marginalizados e dos sem voz e vez. Podemos destacar que a geração de radialistas que vieram logo após a primeira, foi a responsável por consagrar, definitivamente a PRE9 como uma das emissoras de rádio mais importante do país Sem sombras de dúvidas, a maioria dos profissionais da Ceará Rádio Clube da década de 50, até ao final da década de 80, contribuíram definitivamente para a história do rádio cearense e brasileiro, e deixaram seus nomes gravados na memória dos ouvintes, ainda hoje lembrados. Quem não se recorda de Almir Pedreira, uma das vozes mais bonitas e marcantes do rádio, de todos os tempos. Narcélio Lima Verde, Paulo Lima Vede, Augusto Borges e Wilson Machado.

Nova Logomarca da Rádio Clube

Na 5ª e última parte, abordaremos os desafios enfrentados pela emissora, em decorrência das mudanças ocorridas em toda rede dos Diários Associados. Falaremos sobre o fechamento temporário da Rádio Clube, e seu ressurgimento, sob nova direção, em 2019, com uma programação já consolidada pelo público cearense e a incorporação, por parte da direção da Rádio, de novas plataformas de mídia.

Créditos:,Livro: Rádio o veículo, a história e a Técnica,Luiz Arthur Ferrareto. Eduardo Campos, 50 anos de Ceará Rádio Clube (internet). A popularização do Rádio no Ceará na década de 1940, Francisca ìkara Ferreira Rodrigues e Erotilde Honório Silva- Blog Fortaleza Nobre.Miguel Ângelo de Azevedo-NIREZ.Jornalista e apresentador Haroldo Pedreira. Pesquisas e redação: Arilo,Everardo Lopes e Márcio Aurélio. Direção: Márcio Aurélio.

1 COMENTÁRIO

  1. Algum comentário vai ser feito sobre os grandes jornalistas Anderson Braz e Milano Lopes? Eles eram responsáveis pelo noticioso “Matutino PRE-9”, de maior audiência no rádio cearense. A população acordava cedo para o trabalho escutando este noticiário.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui